Meu nome é trabalho

Trancafiado por tanto trabalho

Quando a novela “Império” acabou em março de 2015, depois de um ano em que morri pelo menos mil vezes – mas valeu a pena, quereeedos, ganhei um Emmy! – tudo o que eu queria era descansar em paz no meu sarcófago… Ou então gozar, no maior dolce farniente, os quinze de meses de férias que a Rede Globo generosamente me proporciona ao fim de cada trabalho.

Sim, eu queria, precisava muito…

Mas não pude.

Pois mal botei o ponto final na cena em que o até hoje pranteado comendador morreu, surgiu a Editora Objetiva com a idéia do livro que depois se tornaria “Turno da Noite”… E eu, depois de relutar algumas horas, sei lá, talvez apenas poucos minutos, aceitei esta nova tarefa e, no dia seguinte já a encarava de frente e tratava de por mãos à obra.

E desde então não descansei nem um mísero segundo. Primeiro foi o livro, que teve quatro versões até chegar ao ponto que eu queria. Depois foi a Master Class 3, no fim da qual perdi a voz, que só achei de novo, numa lata de lixo, após algumas semanas. Aí veio toda aquela situação traumática que resultou na minha expulsão – sim, a palavra é essa – daquela cidade serrana. E então, de volta ao local de onde nunca deveria ter saído – o Rio de Janeiro -, resolvi criar o Curso Livre de Atuação, um sucesso tão grande que precisamos encerrar as inscrições antes do prazo para evitar o excesso de alunos.

Aí…

Veio a ideia da Master Class 4, cujos participantes já foram escolhidos, e que será de 11 a 22 deste mês no salão de eventos do Blue Tree Premium da Avenida Paulista, claro, lá em São Paulo. Nestas duas semanas, em que de tanto falar certamente perderei a voz de novo, aproveitarei para lançar “Turno da Noite” no dia 18, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (no Rio o lançamento será no dia 25 na Livraria da Travessa do Shopping Leblon).

E então… Finda mais essa tarefa, darei seguimento àquelas nas quais, por debaixo de todos estes panos, já trabalho: uma webserie pra minha nunca por demais querida Marília Gabriela; um seriado – que me foi encomendado, é bom frisar – que tem como protagonista um certo personagem de uma das minhas novelas, cujo nome por enquanto não digo; a série chamada “Dentro da Noite”, que tem como protagonista ninguém menos que o grande João do Rio; a quinta versão da sinopse de “O Sétimo Guardião”, com a qual, ambicioso e fominha que sou, não quero nada menos que ganhar o terceiro Emmy e assim me tornar tríplice coroado.

E mais o quê?

Usar todos os meus casacos em São Paulo, mesmo que neste inverno lá não aconteça o frio pelo qual anseio. Ir pra Lisboa durante as olimpíadas, nas quais não tenho o menor interesse porque delas não ganharei nenhuma medalha de ouro. De lá dar uma fugida até Paris ou Nova Iorque, a depender de onde me sentirei mais protegido e seguro. Comer bem pra caramba, assim como – sempre em companhia bela – consumir os melhores vinhos produzidos pela generosa mãe terra.

E, enquanto tudo isso, cair na armadilha de sempre e aceitar novos trabalhos. Pois o trabalho é a unica coisa que realmente dignifica o homem. Assim como o dignifica saber que ele não precisou roubar para ter o que tem – tudo o que conseguiu foi sempre de forma honesta e pago com o suor do seu rosto… Ou seria mais apropriado dizer do sovaco?

Sim, adoro trabalhar. Tanto que, em meio a todo esse trabalho, se alguém tiver uma trouxa de roupa suja pra lavar podemos combinar o preço.

One thought on “Meu nome é trabalho”

  1. Severino Ramos Barbosa says:

    Parabéns, Aguinaldo, pela força e pela garra que faz de você esse homem de sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *