QUANDO É O “DIA DO LADRÃO”?

 

O Dia do Amigo nós já temos. Quando vamos instituir o Dia do Amigo do Alheio, ou seja, do Ladrão?

maxresdefault

Ontem dei minha contribuição para o progresso das comunidades carentes. Deixei que um dos seus representantes fugisse com o cordão que ele arrancou  do meu pescoço. Fiquei friamente parado na esquina de Nossa Senhora de Copacabana com Sá Ferreira, na subida do Morro do Cantagalo, a observar o que acontecia como se não fosse eu a vítima. Participaram da “operação” dez criaturas (vamos chamá-los assim, mas com a devida ressalva). No máximo venderão o meu cordão de ouro vagabundo por 50 Reais, o que dá 5 Reais para cada um – menos que um café no Starbucks. Ou seja: tanto esforço pra nada. A mesma coisa acontece nos arrastões, aquelas “operações” monstruosas que de vez em quando acontecem na praia: o produto do roubo, dividido entre as dezenas, às vezes centenas de participantes, dá quase nada, às vezes nada vezes nada para cada um. Então por que, mesmo sabendo que não lucrarão com isso, eles roubam? Por causa a banalidade do mal que tomou conta da nossa cidade. O importante não é lucrar com o roubo, é tocar o terror, botar pra quebrar e se divertir às pampas com isso tudo.

(a foto publicada acima, tirada da internet, é meramente ilustrativa)

6 thoughts on “QUANDO É O “DIA DO LADRÃO”?”

  1. Lara Simeao Romero says:

    Ai minha Deusa, que sufoco hein querido Aguinaldo!
    Antes que eu me esqueça, um beijo e um cheiro meu moço de carpina.
    A propósito, Deusa? Gente o quê que aconteceu com a Rosana, aquela cantora da música ” Como uma deusa… “?
    Ai meu Deus e aí minha Deusa, já vou pela tangente, pelo coseno e pelo seno. Se eu continuar assim acabo escorregando pela hipotenusa.
    Eu não tenho jeito não, risos de-trigonometria !

    1. Wilton says:

      A Rosana continua bombando nas boates gay, porque quando este público gosta, ele adora mesmo.

  2. Julielson Lima says:

    Realmente é o cúmulo. E o pior é que eles fazem por pirraça mesmo, pois não dá em nada. Cuidado triplicado ao andar em Copacabana, no Rio inteiro, no Brasil inteiro na verdade.

  3. Magdalena Salinas says:

    Aguinaldo, dá uma raiva!! Eu enchia essa gente maldita com murros e bofetadas! Já me fizeram isso em Lisboa e a gente fica gelada. Não é não???
    O Rio tem fama do empurrão, esticão e outros mais mas Lisboa está imitando muito bem essas desgraças…com tanto refugiado(eu disse refugiado?) e com tanto estrangeiro por aí… É uma loucura!!

  4. Maria Tereza Siqueira Braga says:

    O que fica conosco é o trauma, a agressão, a impotência e a impunidade. Que Deus te ajude a esquecer esse episódio.

  5. Spectro-Méier says:

    A sensação é: saímos de casa e não sabemos se voltamos vivos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *