HISTÓRIA CONTADA POR UM IDIOTA

ATENÇÃO, LEITORES APRESSADOS E CAÇADORES DE NOTÍCIAS NEGATIVAS:  ESTE É UM TEXTO SOBRE VELHICE E MORTE E NÃO TEM NADA A VER COM MINHA POSSÍVEL SAÍDA DA REDE GLOBO, COM A QUAL TENHO CONTRATO ATÉ 2020. FRANCAMENTE, LEIAM AS COISAS COM MAIS ATENÇÃO!

“A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e fúria, mas vazia de significado”

William Shakespeare

____________________________________________________

IMG_9565

Acima: na redação de o Globo em 1969 e abaixo: a caminho do Le Meurice, em Paris, 48 anos depois.

IMG_20171013_131144_687

Nestas minhas idas e vindas dos últimos dias, dividido entre o trabalho e muita badalação, deixei passar o aniversário de uma data icônica em minha vida: o quadragésimo oitavo aniversário do meu ingresso na família Global – quer dizer: da minha contratação como funcionário das Organizações Globo.

Sim, lembro-me como se fosse hoje: no dia 31 outubro de 1969 adentrei para o meu primeiro dia de trabalho na redação do jornal O Globo na qual fiquei apenas cinco dias. Pois no dia 5 de novembro fui preso pelo Centro de Informações da Marinha – o famigerado CENIMAR – e dado como “desaparecido”… Mas desaparecido, vírgula, pois, por conta dos meus antecedentes, todo mundo imaginava que eu devia estar em algum porão da ditadura.

Consultado a respeito do “sumiço” do funcionário recém-contratado, o dr. Roberto Marinho foi curto e grosso: mandou que continuassem a pagar meu salário até que eu aparecesse de novo. Atenção para o detalhe: antes de sumir eu acabara de entregar minha carteira profissional ao DP do jornal e ela nem sequer fora assinada. Portanto, ao me manter como empregado seu, embora eu ainda não o fosse, o dr. Roberto demonstrou uma generosidade pela qual sou grato até hoje.

Vocês nem imaginam o quanto os três meses de salário e mais o décimo-terceiro depositados em minha conta me foram úteis quando, três meses depois, fui solto e voltei a ocupar minha mesa na redação de O Globo: minha casa fora saqueada Deus sabe por quem e nela tudo o que restou foram alguns livros. Até minhas cuecas, sabe-se lá para que, os saqueadores levaram… Talvez para fazer uma macumba que resultou inútil, pois, para essas coisas – atenção, apóstolos do mal – eu sou auto-imune.

Montei uma nova casa. Fiquei no jornal até 1978. Ganhei vários prêmios como jornalista dos quais o I Prêmio Abril de Jornalismo é do que mais me orgulho. Quando saí de O Globo, não fiquei mais que dois meses como jornalista free lancer e fui convocado por Daniel Filho para ocupar um cargo de roteirista na TV Globo.

O resto vocês já sabem e eu não vou ficar aqui relembrando. Queria apenas dizer que, mesmo inconscientemente, festejei os meus 48 anos de Organizações Globo, sim, pois naquela data eu estava em Paris e fui jantar no Le Meurice, do mestre Alain Ducasse, um dos restaurantes mais prestigiados da cidade.

Agora que lembro disso lembro também que, nestes 48 anos, caminhei sempre em linha reta… Até chegar aqui, agora, diante de todos vocês, o meu público. As Organizações Globo me deram muitas alegrias nesses 48 anos… Mas isso foi recíproco, pois tenho certeza que também dei muitas alegrias às Organizações Globo, várias novelas campeãs absolutas de audiência e dois Emmys.

Tenho 74 anos e posso dizer que estes 48 anos de “global”, mais da metade de minha vida, foram um casamento que deu certíssimo. E se a essa altura da minha vida eu ainda pudesse pedir alguma coisa, eu pediria mais 48 anos desta bela parceria que tenho com a Rede Globo. Mas, aos 74 anos, todos nós nos vemos diante daquela porta, que  mais cedo ou mais tarde  atravessaremos, atrás da qual nos espera uma senhora inclemente chamada MORTE. Tudo bem, como qualquer mortal, não escaparei de um dia me perder no seu regaço. Mas, até que este dia chegue, continuarei  por aqui, com esta mesma e bela parceria de 48 anos com a emissora de tevê que me acolheu, e dando “gracias a la vida”.

E “gracias a la vida” é ainda o que darei na hora  da morte, que é aquela hora do desapego e do olvido.

IMG_20171014_151829_846

O vinho da comemoração no Le Meurice, acima. E a taça a cada dia que passa mais vazia, abaixo.

IMG_20171013_151024_692

16 thoughts on “HISTÓRIA CONTADA POR UM IDIOTA”

  1. Magdalena Salinas says:

    Parabéns querido! Há 7 anos nossa amizade começou num primeiro Brasileiríssimo e ainda bombando apesar de nos vermos tão pouco. Mas amizade verdadeira é assim, não é não?

  2. Eduardo Menga says:

    Linda história. Parabéns.

  3. Debora Mendacoli says:

    Parabéns pelo mente brilhante, cultura e determinação. Sem contar o mas importante vc faz tudo isso com muita competência pq ama o que faz . Bjs sem falar que é um gato .

  4. Leopoldo oliveira says:

    Parabéns principalmente pelo Espírito de gratidão ao Grande Dr Roberto Marinho.tambem fui repórter de o Globo durante 20 anos.1972 até 1992.

  5. Carlos Meneses says:

    não entendi, vc esta se demitindo???

    1. Aguinaldo Silva says:

      Leia de novo, querido, mas agora leia com atenção. Eu estou agradecendo por estes 48 anos maravilhosos e deixando bem claro, que se não fosse pelo fato de que já tenho 74 anos e posso morrer a qualquer momento, ficaria na Globo mais 48 anos.

  6. José Demétrio de Araújo Ananias says:

    Cara, parabéns por seus 48 anos na Rede Globo e graças aos desinformados de plantão quase achei que tu iria se demitir kkkkkkkk.
    Continue fazendo grandes obras, desejo a ti sucesso!

  7. Felipe Motta says:

    #Guinaldão muita saúde e tudo de melhor, suas obras escritas para tevê são sempre uma maravilha, engraçadas, ceueis e ironicas nos acabam no bom sentido. Revendo dona Maria do Carmo e Naza no VALE A PENA VER DE NOVO e também sua Tieta no viva ( a qual eu não vi pois não era nascido), minha mãe sempre fala muitp b de você parece até que são conhecidos. Sucesso sempre

  8. Felipe Motta says:

    #Guinaldão muita saúde e tudo de melhor, suas obras escritas para tevê são sempre uma maravilha, engraçadas, ceueis e ironicas nos acabam no bom sentido. Revendo dona Maria do Carmo e Naza no VALE A PENA VER DE NOVO e também sua Tieta no viva ( a qual eu não vi quando passou a primeira vez pois não era nascido) observamos sua genialidade. Minha mãe sempre fala muito bem de você parece até que são conhecidos. Sucesso sempre!

  9. Rafael Peixoto says:

    Lindo texto, verdadeiro e entregue. Já tinha lido um pouco das suas memórias do cárcere em seu mais recente livro, mas entender um pouco mais do papel da Globo no seu retorno à liberdade é sempre delicioso. Que venham mais 48 anos de sucessos e de renovação na sua arte, vc que é dos autores mais jovens e atuais que já conheci.

  10. Simone Magalhães says:

    As melhores lembranças são as que podem ser comemoradas, que não passeiam apenas rapidamente pela memória. O Globo, para mim, foram 11 anos de felicidade, em cada matéria, em cada pessoa que continua vívida na minha história. Felizes 48 anos e outros mais, Aguinaldo! Bjs.
    PS. Leopoldo Oliveira qual era sua editoria? Entrei em 1984 , saí em 1995 e não me lembro de vc…

  11. Jussara Calmon says:

    Sei tudo sb vc!! Leio todos os seus livros, so não tive o prazer de trabalhar com vc hehehe
    Vc e uma pessoa brilhante e merecedor de tudo o sucesso, que veia mais um
    Beijos Jussara Calmon

  12. Manoel Neto says:

    Antes de escrever, perguntei a mim mesmo como alguém conseguiu interpretar essa mensagem como uma carta de demissão…

    48 anos de uma parceria impecável, Aguinaldo! Quem acompanha as novelas da Globo sabe o quanto você foi importante no crescimento desse gênero! Os amantes dele com certeza desejam mais 48 anos dessa união

    O episódio do seu “sumiço” é realmente curioso. Por sinal, tem sido incrível conhecer essa e outras situações na sua obra: acabei Lábios Que Beijei e no momento estou lendo Memórias da Guerra. Eu – filho dos anos 90 – jamais poderia imaginar que um dia existiu uma Lapa como a que você mostra. É fascinante desbravar a condição subterrânea das pessoas que outrora ali habitaram

    Continue na sua missão! Li um dia desses que você pretende inaugurar, em São Paulo, A Casa Aguinaldo Silva de Artes. Achei o máximo! Espero mesmo que não seja mais um dos infortúnios do nosso jornalismo, objetivando apenas cliques na notícia , pois, além da genialidade, o seu empenho na formação de novos roteiristas é fundamental para a renovação dos ares desse universo. Você tem uma preocupação que te torna singular! É valioso para nós – aprendizes – ter alguém como você preocupado em passar conhecimento!

    Todos aguardam ansiosamente pelos seus projetos em 2018! Sucesso grande!

  13. Alexandre Pereira says:

    Mestre que belo texto.

    Queria pedir a você e todos para assistire a trama do Walcyr. De longe uma grande novela. Prestem atenção a história. Vale a pena a concentração. Eu sei que a besha é má, porem ela esta no mesmo barco dos novelistas e admirar o trabalho dela será prazeroso.

    Em breve vem a sua e poderemos matar a saudade do genero.

    Abração.

  14. Alexandre Pereira says:

    correta: assistirem

  15. João Melo says:

    Uma história verdadeiramente linda de ler! Você é sensacional!!! Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *