NO FIM DA VIAGEM SEM VOLTA

No meu aniversário de 2011 vários elencos de novelas

aniversário 196

aniversário 201

Não sou muito dado a festas de aniversário. Mesmo assim tive algumas. E embora a data ainda esteja longe decidi relembrar uma delas, talvez a mais sensacional, que me foi oferecida por Ed-imunda, um rapaz morador do 31 da Rua Taylor, na Lapa carioca, e que nos idos de 70 cismou de festejar a data me oferecendo uma feijoada. O problema é que Ed-imunda tinha uma arqui-inimiga, Xana Summer, um negão de 1,90m de altura que morava no apartamento ao lado do seu, e que não podia sob nenhuma hipótese, segundo ela, descobrir que haveria a tal festa, pois daria um jeito de estragá-la.

No dia e na hora aprazados, estávamos todos lá, eu,  Ed-imunda e seus convidados, com o cheiro da feijoada a vazar por todas as brechas, quando alguém tocou a campainha. A dona da casa abriu a porta para  ver quem era… E diante dela cresceu nos seus tamancos de holandesa ninguém menos que Xana Summer, a qual lhe ordenou:

“Não diga sequer uma palavra!”

Após o quê entrou no apê da outra, foi até a cozinha, bateu um prato enorme de feijoada, provou… E exclamou, indignada:

“Porra, está salgada!”

E então saiu levando o prato e foi comê-lo em casa.

Diante do fato consumado Ed-imunda se rasgou todinha de tanta raiva, declarou a feijoada por terminada e nos mandou a todos pra p*ta que o pariu, sem permitir que mordiscássemos sequer uma costelinha, pois pegou a panela e despejou todo o seu conteúdo na privada.

Enquanto isso, no apê ao lado, Xana Summer gritava:

“Está salgada, mas está deliciosa!”

E dava as maiores gargalhadas.

Saímos dali, eu e meus convidados, e fomos comer camarão com a mão no Oxalá, um restaurante baiano que a saúde publica fechou, e que ficava bem ali na Cinelândia.

Bons tempos aqueles em que havia inimizades iguais à de Xana Summer e Ed-imunda… E eu vivia, igual ao mais comum dos mortais, entre uma quitinete e outra nos muquifos da Lapa. Infelizmente esta Bela Época passou, como toda as outras, e a partir de agora tudo o que teremos pela frente serão Épocas Horrorosas.

Este ano não sei onde vou festejar meu aniversário. Não posso planejar nada com tanta antecedência, já que, andarilho que sou, nem imagino onde estarei na próxima semana. Mas vou, pelo menos, tentar oferecer aos meus amigos uma festinha, já que estarei completando 75 anos, o que é o mesmo que uma caravela dobrar, sem nenhuma esperança de retorno, o Cabo da Boa Esperança.

aniversário 206

 

4 thoughts on “NO FIM DA VIAGEM SEM VOLTA”

  1. Ana Cristina Queiroz Pinto says:

    Simplesmente amo sua inteligência up sempre Parabéns bjs!

  2. Julielson Lima says:

    Aguinaldo, eu amo a forma com que você narra os fatos de seu passado boêmio. É de um sarcasmo com uma pitada de tempero cômico sensacional. Adoroooo. Sério, faz um livro só de crônicas dessa época. “Lábios que beije” volume II. Por favor. Quer dixer então que Xana Summer existiu mesmo? kakakakka Abraço …

  3. Sidney says:

    Já que vc voltou a Xana Summer na novela poderia botar essa Ed- imunda também rsrs

  4. Thaynara Machado says:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *