TODA CENSURA É IMORAL

 

Ganho de presente o livro “Repressão e Resistência”, de Sandra Reimão (sobre a censura a livros na ditadura militar), e encontro nele o que para mim é uma preciosidade: o parecer do “Técnico de Censura” Augusto Moura, do Serviço de Censura a Diversões Públicas da Polícia Federal, datado de 30 de dezembro de 1975, que proibiu “a publicação e exteriorização” de um livro de minha autoria intitulado “Dez Histórias Imorais”.

Nesta época em que vivemos, na qual todos se sentem no direito de censurar, proibir e condenar sem julgamento qualquer um de quem não gostem ou cujo trabalho não apreciem, é bom lembrar que houve uma época nefasta na qual pessoas eram pagas para fazer este serviço sujo: o de reprimir a liberdade de pensamento e manifestação.

O parecer do Doutor Augusto da Costa (os Censores sempre se tratavam por “doutor” e assim queriam ser tratados), que resultou na proibição do livro e na apreensão de todos os exemplares existentes nas livrarias, começa dizendo que “das dez histórias, duas implicam em veto para liberação por conterem matéria imprópria”. A seguir esclarece que “matéria imprópria” era esta, com ênfase para uma delas, referente ao conto “Proclamação Final” que, segundo ele, continha “ofensas aos militares em geral, chamando-os de estúpidos”.

Claro, quem dizia isso não era o autor, e sim o personagem do conto. Mas os censores não eram dados a sutilezas – tinham que manter a máquina da Censura funcionando a pleno vapor, pois era esta a melhor maneira de garantir seus empregos.

20180720_093635

acima, a capa da segunda edição de “Dez Histórias Imorais”; abaixo, o fac-simile do parecer da Censura que baniu o livro das livrarias.

20180719_105546

“Dez Histórias Imorais”, note-se, foi publicado em 1967 e teve uma segunda edição em 1969. Mas a Censura só o proibiu em 1975. Tantos anos depois do lançamento do livro? Sandra Reimão, num texto primoroso, tem uma explicação para isso, Vejamos:

“A hipótese mais coerente que se pode aventar para explicar o exame do livro “Dez Histórias Imorais” pelo SCDP em 1975 e o decorrente ato censório em 1976 é a de que a atuação posterior de Aguinaldo Silva – colaborador de publicações em franca oposição à ditadura militar – jornais Movimento  e Opinião – deu mais visibilidade ao autor e pode ter motivado, quer por denúncia explícita, quer por automotivação, uma nova empreitada do SCDP em relação a ele.

E Sandra Reimão conclui mais adiante:

O trajeto da censura ao livro “Dez Histórias Imorais” repete, com as devidas modificações, percurso análogo ao da prisão de Aguinaldo Silva em 1969. Nos dois casos, a motivação declarada não era a motivação real. A prisão do autor em 1969 foi justificada pelo prefácio “A Guerrilha não Acabou” (nota: escrito por mim) no “Diário” de Che Guevara, mas a motivação real, conforme concluiu Aguinaldo Silva, foi a homofobia. Em 1976, tudo indica que a censura às “Dez Histórias Imorais” deu-se não em função do livro, mas sim como uma forma de homofobia e também de coação ao jornalista e militante Aguinaldo Silva”.

Agora não vivemos numa ditadura e não há censura oficial. Mas há militantes de todos os matizes nas redes sociais que se consideram no direito de censurar e proibir aqueles de quem discordam ou, pura e simplesmente, de quem não gostam. Esta semana li a frase de um desses Torquemadas (vejam quem foi Torquemada no Google) que me deixou de cabelos arrepiados:

“Não importa o que você pensa ou diz agora; suas palavras antigas serão lembradas”.

Sim, mesmo em tempos de suposta liberdade haverá sempre aqueles sequiosos por se tornarem os eternos “Doutores” da Censura.

6 thoughts on “TODA CENSURA É IMORAL”

  1. Bartolomeu Batista says:

    Sabe o que acho, Aguinaldo? Você devia falar mais deste seu passado da ativista. Ostentar, mesmo. Tem muita gente que não o conhece e acha que você só escreveu novelas de televisão. Que vida mais agitada você teve, cara! Quando vai escrever uma autobiografia? Já estou na fila para comprar.

  2. Malévola dos Santos says:

    Quereeeda, lá na Ilha das Flores você ficou na cela com quantos presos? Qual a média de idade deles? Como todos nós sabemos, é nos detalhes que está o diabo, não é mesmo?

  3. maria da costa souto says:

    Querido, você está certíssimo. Toda censura é imoral, inclusive esta censura horrorosa do politicamente correto que agora se abate sobre todos nós.

  4. Jana Pereira says:

    Pelo que li até agora dos seus escritos, você tem uma postura muito pessoal em relação à transexualidade. Poderia explicá-la melhor num artigo aqui no seu blog? Eu, que já passei dos 60, me sinto muito confusa sobre este assunto. Por exemplo: os homens trans podem operar, mas as mulheres trans, que eu saiba não. E aí?

  5. JGraziete Medeiros says:

    Censura já! Tem muita gente falando besteira por aí, e besteira tem que ser censurada, sim!

  6. Spectro-Méier says:

    Em muito breve qualquer pingo fora do “i” será como assinar o próprio obituário, tamanha censura sem noção. Enfim, para o alto e avante. Vamos que vamos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *