Juliana Maggioli

Juliana Maggioli é uma conceituada dançarina, artista e professora de tango. Muito do tango argentino no Brasil pode ser atribuído ao trabalho de Juliana Maggioli.
Entre seus professores argentinos incluem “maestros” contemporâneos e tradicionais da velha guarda porteña. Sempre teve grande interesse em explorar a evolução do “tango danza” a partir de sua origem, o que inclui conhecer muito bem os hábitos e peculiaridades da bela Buenos Aires, cidade que visita algumas vezes por ano.

Juliana tem participado de inúmeros festivais nacionais e internacionais e se tornou mundialmente reconhecida em 2015 quando, em parceria com o campeão mundial de Tango Salão Maximiliano Cristiani, viajou para países da Europa, Ásia e Austrália. Depois disso seguiu com trabalhos pontuais com outros grandes nomes do tango argentino como Enrique de Fazio, um dos Hermanos Macana, e Pablo Rodriguez. Com o campeão europeu Csongor Kicsi, em 2016 puderam lecionar em cidades italianas e leste europeu. Atualmente tem seguido em turnês solo principalmente para Canadá e Itália.

Idealizadora do projeto TangoLAB, aulas de tango orientadas à comunidade da Universidade de São Paulo, há mais de 10 anos vem inserindo à dança centenas de estudantes, desde quando ali ainda estudava. Com estas aulas, ela tem introduzido o tango para uma nova geração, e no processo, ajudado a criar uma comunidade vibrante de tango em São Paulo. Como sempre ensinou sozinha, domina as sutilezas dos dois papéis: de cavalheiro e dama (líder e seguidor) – outra razão importante que ela atribui ao seu desenvolvimento como professora, bailarina e performer. Também é lembrada por sua sensualidade e musicalidade nos adornos femininos.

Há 5 anos organiza e musicaliza a Milonga Mucho Tango todas as sextas-feiras na Vila Mariana. Fez parte do corpo de baile da Cia Tango & Paixão participando eventualmente como coreógrafa. Foi uma das fundadoras do movimento Tango na Rua, hoje praticado mensalmente na Av. Paulista além de convidar todos os anos grandes maestros argentinos para vir a São Paulo e para ensinar a seus alunos diretamente em Buenos Aires. Hoje é comum encontrar uma leva de jovens professores e dançarinos em apresentações que se formaram com ela.